O emaranhado social envolvido nos conflitos ambientais: proposição de análise à luz da Teoria da Produção Social

Palabras clave: Conflito ambiental, Atores sociais, Produção social, Jogo social

Resumen

Os conflitos ambientais aumentaram significativamente nos últimos anos na América Latina, especialmente no Brasil. Engendrados por diversos fatores, entre os quais destacamos a implantação de grandes projetos de infraestrutura em territórios constituídos por comunidades tradicionais, os conflitos ambientais são caracterizados pelo embate de uma ampla rede de atores que apresentam modos distintos de apropriação simbólica e material da natureza, os quais se conectam e se organizam politicamente de modos diferentes, resultando em um complexo emaranhado socionatural. Desse modo, este ensaio tem por objetivo refletir como a Teoria da Produção Social, do chileno Carlos Matus, pode auxiliar na compreensão da produção social envolvida nos conflitos ambientais. Nesse sentido, defendemos que o conflito ambiental é um jogo social de final aberto, emergido de um processo social e politicamente construído, formado por atores sociais em interação, com motivações e interesses divergentes, além de recursos de poder em disputa. Portanto, afirmamos que tanto os atores quanto as alianças se constituem e se refazem ao longo do processo político de produção social. Concluímos o ensaio com contribuições importantes no tocante aos estudos dos conflitos ambientais à luz da Teoria da Ação Social, caracterizando um avanço teórico para a área.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Jaqueline Guimarães Santos

Universidade Federal de Pernambuco. Caruaru, Brasil. E-mail: jaqueline.guimaraes@ufpe.br. ORCID: 0000-0001-8455-1659

Eugenio Avila Pedrozo

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil. E-mail: 00010312@ufrgs.br. ORCID: 0000-0002-4751-707X

Citas

ACSELRAD, H. (2013) “Desigualdade ambiental, economia e política”. Astrolabio (Buenos Aires), Volume 2, Nro. 11, 105-123.
ACSELRAD, H. (coordenador). (2004) Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará.
ACSELRAD, H. (2014) “A crítica do “ambiente” e o ambiente da crítica”. Revista Antropolítica, Volume 1, Nro. 36, 27-47.
ALMEIDA, J. (2016) “Pesquisa Social sobre Ambiente: misturando sujeitos e objetos híbridos”. En ALMEIDA, J. (coordenador) Conflitos Ambientais e controvérsias em Ciência e Tecnologia. Porto Alegre: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
ALONSO, A. M.; COSTA, V. M. F. (2002) “Para uma sociologia dos conflitos ambientais no Brasil”. En: Héctor Alimond. (coordinador). Ecología Política Naturaleza, sociedad y utopía. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales — Clacso, Volume 01, 115-135.
ARTMANN, E. (2000) “O Planejamento Estratégico Situacional no nível local: um instrumento a favor da visão multissetorial”. Cadernos da Oficina Social, Volume 3, Nro. 2, 98-118.
BARBOSA, R. S.; FLEURY, L. C. (2020) “Dossiê Conflitos Ambientais”. Argumentos, Volume 17, Nro. 1, 1-5.
COSTA, C. F.; GOULART, S. (2011) “O jogo social e a produção de acontecimentos no território: o caso da Rede Arrozeiras do Sul”. Cadernos EBAPE.BR, Volume 9, Nro. 4, 998-1014.
FLEURY, L. C.; ALMEIDA, J.; PREMEBIDA, A. (2014) “O ambiente como questão sociológica: conflitos ambientais em perspectiva”, Sociologias, Volume 16, Nro. 35, 34-82.
FLEURY, L. C. (2013) Conflito ambiental e cosmopolíticas na Amazônia brasileira: a construção da usina hidrelétrica de belo monte em perspectiva. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGS/UFRGS).
FLEURY, L. C.; BARBOSA, R. S.; SANT’ANA JR., H. A. (2017) “Sociologia dos conflitos ambientais: desafios epistemológicos, avanços e perspectivas”. Revista Brasileira De Sociologia, Volume 5, Nro. 11, 219-253.
FONSECA, B. C.; OLIVEIRA, M. L. R.; SOUSA, D. R. N. (2012) “Conflitos ambientais: atores, causas e desdobramentos na zona da Mata Mineira”. Caminhos de Geografia, Volume 13, Nro. 42, 283-299.
FORTIS, M. F. A. (2010) “Rumo à Pós-Modernidade em Políticas Públicas: a Epistemologia Situacional de Carlos Matus”. RAE-eletrônica, Volume 9, Nro. 2, 11-23.
GAWORA, D. (2014) “Povos e comunidades tradicionais e seu papel estratégico – da perspectiva defensiva à ofensiva”. Revista tempo da ciência, Volume. 21, Nro. 41, 93-112.
HUERTAS, F. (1996) Entrevista com Matus: o método PES. São Paulo: FUNDAP.
LITLLE, P. E. (2006) “Ecologia política como etnografia: um guia teórico e metodológico”. Horizontes Antropológicos, Volume12, Nro. 25, 85-103.
MATUS, Carlos. (1996) Estratégias políticas: Chimpanzé, Maquiavel e Ghandi; trad. Giselda Barroso Sauveur. São Paulo: FUNDAP.
MATUS, Carlos. (1997) Política, planejamento & governo. Brasília: IPEA, terceira reimpresión.
MATUS, Carlos. (2005) Teoria do Jogo Social. São Paulo: FUNDAP.
MEIRA, A. C.; ALMEIDA, J. (2016) “Mar de quem? Crítica, sentimentos de (in)justiça e justificações em um conflito ambiental: empreendimentos portuários vs. pesca artesanal no litoral sul do Espírito Santo, Brasil”. Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPR), Volume 39, Nro. 4, 59-76.
MEIRA, A. C.; ALMEIDA, J. (2018) “O mito do desenvolvimento no litoral sul do Espírito Santo, Brasil”. Interações, Volume 19, Nro. 2, 205-219.
MELZ, R. L. (2017) Os interesses manifestados pelos atores sociais no jogo da fumicultura no Vale do Rio Pardo/RS: uma Análise dos Fatos Sociais Produzidos de 2002 a 2005. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
PINTO, F. de A.; MISOCZKY, M. C.; FLORES, R. K. (2017) “A produção social do transporte coletivo urbano rodoviário de Porto Alegre – 2012-14”. Revista de Administração Pública (RAP), Volume 3, Nro. 51, 234-254.
PINTO, F. de A. (2014) A organização do transporte coletivo urbano rodoviário de Porto Alegre: em benefício de quem? Trabalho de Conclusão de Curso. Graduação em Administração Pública e Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
ZAMBRANO, K. (2005) Teoria do Jogo Social [prefácio]. São Paulo: FUNDAP, 9-15.
ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K.; PEREIRA, D. B. (2005) A insustentável leveza da política ambiental. Belo Horizonte: Autêntica.
ZHOURI, A. (2014) “Mapping Environmental Inequalities in Brazil: mining, environmental conflicts and impasses of mediation”. Net Working Papers, Volume 75, Nro. 2, 1-39.
ZHOURI, A.; OLIVEIRA, R. (2012) “Development and environmental conflicts in Brazil”. Virtual Brazilian Anthropology, Volume 9, Nro. 1, 181-208.
ZHOURI, A.; LASCHESFKI, K. (coordenadores). (2010) Desenvolvimento e Conflitos Ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG.
Otras fuentes:
Instituto Carlos Matus (2015) documento consultado en Internet el 03/03/2021 en https://www.institutocarlosmatus.com/
Os 10 conflitos ambientais mais explosivos do mundo (2016) documento consultado en Internet el 02/09/2020 en https://www.cartacapital.com.br/sustentabilidade/dez-conflitos-ambientais-que-explodem-no-mundo.
Publicado
2021-12-09
Cómo citar
Guimarães Santos, J., & Avila Pedrozo, E. (2021). O emaranhado social envolvido nos conflitos ambientais: proposição de análise à luz da Teoria da Produção Social. Espacio Abierto, 30(4), 167-183. Recuperado a partir de https://produccioncientificaluz.org/index.php/espacio/article/view/37333
Sección
Semestre