A rádio comunitária e o desenvolvimento sustentável: estudo no semiárido do Piauí, Brasil

  • Elinara Soares Barros de Sousa Universidade Federal do Piauí
  • Wilza Gomes Reis Lopes Universidade Federal do Piauí
  • Orlando Maurício de Carvalho Berti Universidade Federal do Piauí
Palabras clave: Comunicação Comunitária, Comunidade, Semiárido, Sustentabilidade, Piauí, Brasil

Resumen

Neste trabalho, tem-se como objetivo analisar a presença e distribuição das rádios comunitárias legalizadas no semiárido do estado do Piauí, Brasil. Para isso, foram utilizados dados da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), elaborando-se um mapa com suas localizações. São apresentadas, ainda, reflexões sobre a relevância destas rádios para as comunidades em que estão inseridas, relacionando-as a dados da realidade local, como população e Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM). Foi constatado que menos da metade dos municípios na região possui rádios comunitárias, ou seja, a maior parte deles não possui meios de comunicação local, que podem ser usados para representar, efetivamente, os anseios das comunidades.

Citas

AGUILAR, A. C.; ORTIZ, G. E. C. (2018) “Reproducción social doméstica de familias rurales en el contexto semiárido del noreste mexicano”. Espacio Abierto, V. 27, n.3, 5-26.

BERTI, O. M. C. (2017) “Rádios comunitárias brasileiras na internet: faces e interfaces da democratização da comunicação comunitária em tempos de tecnologias atuais no Nordeste”. PAULUS: Revista de Comunicação da FAPCOM. V. 1, n. 2, 111-120.

CARNIELLO, M. F.; SANTOS, M. J.; GALVÃO JÚNIOR, L. C.; OLIVEIRA, E. A. Q. A. (2016) “Comunicação para o desenvolvimento: considerações para uma construção de interfaces temáticas”. G&DR. Taubaté-SP: v. 12, n. 4, 3-30.

DINIZ, P. C. O; LIMA, J. R. T. (2017) “Mobilização social e ação coletiva no Semiárido Brasileiro: convivência, agroecologia e sustentabilidade”. Redes. V. 22, n. 2, 189-207.

FORTUNATO, I. ALMEIDA JR, A. R. (2017) “La compleja relación tripartita: ambiente, sociedad y medios de comunicación”. Espacio Abierto, V. 26, n.2, 5-10.

LEFF, E. (2012) “Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder”. Petrópolis: Vozes, 9 ed.

LEMOS, J. J. S. (2020) “Vulnerabilidades Induzidas no Semiárido Brasileiro”. DRd – Desenvolvimento Regional em debate, v. 10, 245-268.

LIMA, M. D. V. et al. (2015) “A comunicação ambiental e suas potencialidades no enfrentamento dos dilemas socioambientais”. Desenvolv. Meio Ambiente, v. 34, 75-84.

MALERBA, J. P. (2017) “Uma questão de princípios: o tema da autenticidade na radiodifusão comunitária”. Anais do XXVI Encontro Anual da Compós. Disponível em: http://www.compos.org.br/data/arquivos_2017/trabalhos_arquivo_D3HDC4PUM9GLUIV7EK2M_26_5418_20_02_2017_17_40_48.pdf. Consultado em 03/02/2020.

MARINHO, J. R. O.; OLIVEIRA, V. P. V. (2013) “Os Paradigmas Orientadores do Desenvolvimento do Semiárido Brasileiro e suas Implicações para o Manejo dos Recursos Naturais”. Rev. Econ. NE. V. 44, n. especial, 239-250.

MEDEIROS, H. P. (2009) “Rádio comunitária x democratização: dez anos de trajetórias descontínuas” em KLÖCKNER, L.; PRATA, N. História da Mídia Sonora: experiências, memórias e afetos de Norte a Sul do Brasil. Porto Alegre: EDIPUCRS.

MEDEIROS, S. S. et al. (2012) “Sinopse do censo demográfico para o Semiárido brasileiro”. Campina Grande: INSA.

MEDEIROS, R. (2020) “Função Social do Rádio Local Entre Desertos de Notícia e Zonas de Silêncio: reverberações da migração AM – FM”. Revista Latino-americana de Jornalismo. Ano 7, vol. 7, n.1, 360-378.

MIANI, R. (2011) “Os pressupostos teóricos da comunicação comunitária e sua condição de alternativa política ao monopólio midiático”. Intexto. V. 2, n. 25, 221-233.

NUNES, M. V. (2015) “O Rádio como Arma Política no Ceará”. Revista Passagens. V. 6, n. 2, 227-243.

OJIMA, R.; COSTA, J. V.; CALIXTA, R. K. (2014) “‘Minha Vida é Andar por esse País...’: A Emigração Recente no Semiárido Setentrional, Políticas Sociais e Meio Ambiente”. REMHU - Rev. Interdiscip. Mobil. Hum. Ano XXII, n. 43, 149-167.

OJIMA, R.; FUSCO, W. (2017) “Migração no Semiárido Setentrional: Dinâmica Recente, Retorno e Políticas Sociais”. Mediações. V. 22, n. 1, 325-349.

OLIVEIRA NETO, A.; PINHEIRO, R. (2013) “O que a saúde tem a ver com rádio comunitária? Uma análise de uma experiência em Nova Friburgo – RJ”. Ciência & Saúde Coletiva. V.18, n. 2, 527-536.

PAIVA, R.; MALERBA, J. P.; CUSTÓDIO, L. (2013) “‘Comunidade Gerativa’ e ‘Comunidade de Afeto’: Propostas Conceituais para Estudos Comparativos de Comunicação Comunitária”. Revista interamericana de Comunicação Midiática. V. 12, n. 24, 244-262.

PERUZZO, C. M. K. (2015) “Comunicação popular e comunitária em práticas de desenvolvimento rural na região de Borborema (PB – Brasil)”. C&S. V. 37, n. 2, 183-208.

PERUZZO, C. M. K.; VOLPATO, M. O. (2010) “Rádio Comunitária e Liberdade de expressão no Brasil”. Chasqui. N. 109, 39-42.

PERUZZO, C. M. K. (2009) “Conceitos de comunicação popular, alternativa e comunitária revisitados e as reelaborações no setor”. ECO-Pós. V.12, n. 2, 46-61.

SACHS, I. (2004) “Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado”. Rio de Janeiro: Garamond.

SANTOS, E.; PRATA, N.; MEDEIROS, R. (2019) “Rádios comunitárias no Brasil: entre a clandestinidade e a relevância social”. Chasqui. Revista Latinoamericana de Comunicación, n. 140, 129-146.

SANTOS et al. (2013) “O Semiárido brasileiro: riquezas, diversidades e saberes”. Campina Grande: INSA/MCTI.

SANTOS, T. A. (2019) “Dilemas políticos para o semiárido brasileiro: um breve panorama até crise do lulismo”. Rev. NERA. V. 22, n. 46, 170-194.

SENA, A. et al. (2016) “Medindo o invisível: análise dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em populações expostas à seca”. Ciência & Saúde Coletiva. V. 21, n. 3, 671-683.

SERVAES, J. (2012) “Comunicación para el desarrollo sostenible y el cambio social: Una visión general”. CIC. v. 17, 17-40.

SILVA, R. M. A. (2010) “Entre o combate à seca e a convivência com o semiárido: Transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento”. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil.

TEIXEIRA, M. N. (2016) “O sertão semiárido: uma relação de sociedade e natureza numa dinâmica de organização social do espaço”. Revista Sociedade e Estado. V. 31, n. 3, 769-797.

TORRES, B. A. (2012) “Panorama das Rádios Comunitárias”. In: DEL BIANCO, N. R. (Org.). “O Rádio Brasileiro na Era da Convergência. São Paulo: INTERCOM. V. 5, 303-322.

TRUJILLO, H. A. B.; GÓMEZ, C. B.; QUICENO, E. Z. (2016) “Medios de comunicación para el cambio social y comunicación para el fortalecimento del tejido social”. Comunicación. N. 34, 85-97.

TUFTE, T. (2013) “O renascimento da Comunicação para a transformação social: redefinindo a disciplina e a prática da ‘Primavera Árabe’”. Intercom: São Paulo, v. 36, n. 2, p. 61-90.

VEIGA, J. E. (2010) “Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor”. São Paulo: Editora SENAC São Paulo.

ZUCULOTO, V. R. M. (2012) “As fases da história do rádio brasileiro e as transformações da notícia radiofônica”. Anais do IV Encontro do Núcleo Gaúcho de História da Mídia, Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia (ALCAR), São Borja.

Documentos oficiais e institucionais

ANATEL. Agência Nacional de Telecomunicações. (2020) “Sistema de Controle de Radiodifusão”. Disponível em: https://sistemas.anatel.gov.br/srd/Consultas/ConsultaGeral/TelaListagem.asp?NumServico=231&SISQSmodulo=7995. Consultado em: 03/03/2020.

ANATEL. Agência Nacional de Telecomunicações. (2015) “Portaria n. 4.334, de 17 de setembro de 2015”. Diário Oficial da União, Seção 1, n. 180, 71.

ATLAS BRASIL. (2010) “Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil”. Disponível em: . Consultado em: 21/01/2020.

ATLAS BRASIL. (2010) “São Francisco de Assis do Piauí”. Disponível em: . Consultado em: 04/01/2021.

BRASIL. (1998) “Lei n. 9.612, de 19 de fevereiro de 1998. Institui o serviço de radiodifusão comunitária e dá outras providências”. Disponível em: . Consultado em: 05/01/2020.

BRASIL. (2004) “Lei n. 10.836, de 9 de janeiro de 2004. Cria o Programa Bolsa Família e dá outras providências”. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.836.htm>. Consultado em: 31/07/2020.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. (2016) “Pesquisa brasileira de mídia 2016: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira”. Brasília: Secom, 162p.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. (1991) “Nosso futuro comum”. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2 ed.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020) “Cidades e Estados”. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/teresina/panorama. Consultado em: 04/01/2021.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). (2010) “Relatório de Desenvolvimento Humano – Brasil 2009/2010: Valores e Desenvolvimento Humano 2010”. Disponível em: . Consultado em: 18/12/2020.

SUDENE. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. (2017a) “Resolução n. 115, de 23 nov. 2017”. Disponível em: . Consultado em: 01/02/2020.

SUDENE. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste. (2017b) “Resolução n. 107, DE 27 de 27 de julho de 2017”. Disponível em: . Consultado em: 20/02/2020.
Publicado
2021-03-27
Cómo citar
Barros de Sousa, E. S., Gomes Reis Lopes, W., & de Carvalho Berti, O. M. (2021). A rádio comunitária e o desenvolvimento sustentável: estudo no semiárido do Piauí, Brasil. Espacio Abierto, 30(1), 33-55. Recuperado a partir de https://produccioncientificaluz.org/index.php/espacio/article/view/35611
Sección
Semestre