Transições no cooperativismo de crédito solidário em Minas Gerais: um estudo de caso em perspectiva institucional

  • Isabela Renó Jorge Moreira Universidade Federal de Viçosa
  • Almiro Alves Júnior Universidade Federal de Viçosa
  • Alair Ferreira de Freitas Universidade Federal de Viçosa
  • Paulo Henrique da Silva Universidade Federal de Viçosa
Palabras clave: Cooperativismo, cooperativismo de crédito solidário, institucionalismo, agricultura familiar

Resumen

Esta pesquisa é parte integrante de uma agenda de investigação e discussão sobre o cooperativismo de crédito solidário em Minas Gerais que busca desvelar a estruturação, organização e o impacto da inserção de um novo sistema cooperativo no estado. O objeto de estudo é uma cooperativa de crédito solidário, a Cresol Sudeste de Minas, antiga Creditag Fervedouro, localizada em Fervedouro/ MG, que oferece produtos e serviços financeiros tendo como público prioritário a agricultura familiar. O objetivo é descrever a trajetória e o processo de estruturação da cooperativa Cresol Sudeste de Minas tendo como escopo o recorte temporal de 2007/2017, identificando as mudanças organizacionais difundidas a partir da transição da Creditag Fervedouro para o sistema Cresol. Foi utilizado o método de pesquisa qualitativo e descritivo, e se aplicou como estratégia de pesquisa o estudo de caso com a utilização de entrevistas semiestruturadas com atores chave. Conclui-se que a busca por legitimidade, o anseio de operacionalizar o PRONAF e as exigências impostas pelo ambiente externo foram fatores primordiais que culminaram a transição para o sistema Cresol, e as vantagens das mudanças organizacionais apresentadas pelos próprios cooperados e dirigentes da cooperativa vão além do almejado

Citas

ALVES, S. D. da S. (2006) Microfinanças: democratização do crédito no Brasil: atuação do Banco Central. Brasília: BCB, terceira edición.

AMARAL, I. C. (2012) Fusões e incorporações e o desempenho das cooperativas de crédito brasileiras. documento consultado en Internet el 06/02/2018 en https://www.locus.ufv.br/bitstream/handle/123456789/61/texto%20completo.pdf?sequence=

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. (1996) A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Editora Vozes.

BITTENCOURT, G. A. (2001) Cooperativas de Crédito Solidário: constituição e funcionamento. Brasília: MDA.

BITTENCOURT, G. A. (2003) “Sistema Cresol de Cooperativas de Crédito Rural: uma experiência de economia solidária entre os agricultores familiares” en: SINGER, P.; SOUZA, A. R. de (coordinadores). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, segunda edición.

BÚRIGO, F. L. (2006) Finanças e Solidariedade: uma análise do cooperativismo de crédito rural solidário no Brasil documento consultado en Internet el 10/01/2018 en http://lemate.paginas.ufsc.br/files/2016/06/279-728-1-PB.pdf

CHAYANOV, A. V. (2017) A Teoria das Cooperativas Camponesas. Porto Alegre: UFRGS.

DIMAGGIO, P. J; POWELL, W. W. (2005) A gaiola de ferro revisitada: Isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. RAE, Volumen. 45, Nro. 2, p. 74-89.

DIMAGGIO. P. J; POWELL. W. W. (1999) “Introducción” en: POWELL. W. W; DIMAGGIO. P. J; POWELL. El Nuevo Instutcionalismo en el análisis organizacional. México: Fondo de Cultura Económica.

FREI BETTO. (1981) O que é comunidade eclesial de base. São Paulo: Brasiliense.

FREITAS, A. F. de. (2013) Organizações de microfinanças: inovações e desafios para a inclusão financeira. Rev. Adm., UFSM, Santa Maria, Volumen. 6, Nro. 1, p. 39-54.

FREITAS, A. F.; FREITAS, A. F. (2013) Análise institucional de mudanças organizacionais em um sistema cooperativo de crédito solidário em Minas Gerais. Revista de Administração Pública, Volumen. 47, Nro. 4, p. 999-1019.

GIL, A. C. (2008) Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, sexta edición.

GIL. A. C. (2010) Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, quinta edición.

IDE, R. M. (2005) Uma análise das diferentes noções do cooperativismo na perspectiva construcionista. Psicologia & Sociedade, Volumen 17, Nro 2, p 70-78.

MARCH, J. G.; OLSEN, J. P. (1984) The New Institutionalism: Organizational Factors in Political Life. American Political Science Association, Volumen 78, Nro. 3, p. 734-749.

MEYER, J.W.; ROWAN, B. (1999) “Organizaciones institucionalizadas: la estructura formal como mito y ceremonia” en: POWELL, W.W.; DIMAGGIO, P.J (coordinadores). El nuevo institucionalismo en el análisis organizacional. Mexico: Universidad Autonoma del Estado de Mexico.

NAMORADO, R. (2005) “Cooperativismo: um horizonte possível” en: GEDIEL, J. A. P (coordinadores). Estudos de direito cooperativo e cidadania. Curitiba: Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR, p. 9-38.

PECI, A. (2006) A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. Cadernos Ebape, Volumen 4, Nro.1.

PINHO, D. B. (1982) O pensamento cooperativo e o cooperativismo brasileiro. São Paulo: CNPq, segunda edición.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. (2003) Metodologia de Pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill.

SCOTT, W. R. (2005) Organizaciones: caracteristicas duraderas y cambiantes. Gestión y Politica Publica. Volumen 14, Nro.3, p. 439-463.

SCOTT, R. W.; S. CHRISTENSEN (1995) The Institutional Construction of Organizations. International and Longitudinal Studies. London: Sage Publications.

SINGER, P. (2002) “A recente ressurreição da economia solidária no Brasil” en: SANTOS, B. S. (coordinador). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SUCUPIRA, G. I. C. S.; FREITAS, A. F de. (2011) Cooperativismo de crédito solidário: um arranjo institucional em prol do desenvolvimento local. Revista Eletrônica do Prodema. Volumen 6, Nro.1, p.23-40.

YIN, R. K. (2001) Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, segunda reimpresión.

Otros documentos

ANCOSOL divulga os dados consolidados, Portal do cooperativismo financeiro (2018) documento consultado en Internet el 17/02/2018 en http://cooperativismodecredito.coop.br/2010/04/ancosol-divulga-os-dados-consolidados-de-2009/.

Confederação Cresol, Portal do cooperativismo financeiro (2018) documento consultado en Internet el 17/02/2018 en http://cooperativismodecredito.coop.br/cenario-mundial/cenariobrasileiro/dadosconsolidados-dos-sistemas-cooperativos/confesol/.

Cooperativas Centrais, Confederação Cresol (2016) documento consultado en Internet el 18/07/2018 en http://www.cresolconfederacao.com.br/.

Cooperativismo de crédito: desafios e oportunidades, BACEN (2016) documento consultado en Internet el 23/08/2018 https://www.bcb.gov.br/pec/appron/apres/Apresentacao_Isaac_Ferreira_Sicredi_26-8-2016.pdf.

DIEESE (2016) A produção de informações no Observatório Nacional da Economia Solidária e do Cooperativismo. São Paulo: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

Expansão Cresol, CRESOL-BASER documento consultado en Internet el 15/01/2018 en https://www.cresol.com.br/site/noticias/interna?id=590.

Institucional, Cresol Baser (2018) documento consultado en Internet el 23/08/2018 https://cresol.com.br/institucional/. Os novos dados do mapeamento de economia solidária no Brasil: nota metodológica e análise das dimensões socioestruturais dos empreendimentos,

SILVA, S. P. (2016) documento consultado en Internet el 09/02/2018 em http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7410/1/RP_Os%20Novos%20dados%20do%20mapeamento%20de%20economia%20solid%C3%A1ria%20no%20 Brasil_2016.pdf.

Produtos e serviços, CRESOL-BASER. documento consultado en Internet el 09/02/2018 en http://www.cresol.com.br/site/home.php.
Publicado
2020-12-21
Cómo citar
Jorge Moreira, I. R., Alves Júnior, A., Ferreira de Freitas, A., & da Silva, P. H. (2020). Transições no cooperativismo de crédito solidário em Minas Gerais: um estudo de caso em perspectiva institucional. Espacio Abierto, 29(4), 330-352. Recuperado a partir de https://produccioncientificaluz.org/index.php/espacio/article/view/35075